quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Pregadores


  


São Mateus V, 13


Vos estis sal terrae! Quod si sal evanuerit in quo sallietur? Ad nihilum valet ultra nisi ut mittatur foras et conculcetur ab hominibus.

Vulgata


Vós sois o sal da terra! Ora se o sal se corromper, com que se há-de salgar? Não serve para mais nada, senão para para ser lançado fora e ser pisado pelos homens.





    Suposto, pois, que ou o sal não salgue ou a terra se não deixe salgar; que se há-de fazer a este sal e que se há-de fazer a esta terra? O que se há-de fazer ao sal que não salga, Cristo o disse logo: Quod si sal evanuerit, in quo salietur? Ad nihilum valet ultra, nisi ut mittatur foras et conculcetur ab hominibus. «Se o sal perder a substância e a virtude, e o pregador faltar à doutrina e ao exemplo, o que se lhe há-de fazer, é lançá-lo fora como inútil para que seja pisado de todos.» Quem se atrevera a dizer tal cousa, se o mesmo Cristo a não pronunciara? Assim como não há quem seja mais digno de reverência e de ser posto sobre a cabeça que o pregador que ensina e faz o que deve, assim é merecedor de todo o desprezo e de ser metido debaixo dos pés, o que com a palavra ou com a vida prega o contrário.

Sermão de Santo António aos Peixes, I



Sem comentários:

Enviar um comentário